Estava na Carregueira num dia de semana e resolvi ir almoçar ao restaurante do Luís, o Carcavelo. Como primeiro prato do dia, tinha filetes com arroz tomate, mas mais cá para baixo na ementa havia uma dobrada com feijão branco.
Como não gosto de dobrada, mas gosto muito do feijão da dita, perguntei ao Luís se havia hipótese de acompanhar a feijoada com farinheira. Nem sequer respondeu, mas quando serviu a feijoada, lá vinha uma farinheira grelhada. O feijão estava ótimo e a farinheira ainda melhor.
Quando comentei com o Luís sobre a dita farinheira, ouvi como resposta que era a melhor, era a farinheira amarela dali de zona de Abrantes.
Não disse nada, mas pensei logo nas farinheiras fabricadas na Margarido’s, uma amarela e a outra branca. Não sei qual delas gosto mais. Para Luís Carcavelo, a melhor é a amarela. É realmente muito boa, então grelhada com a pele estaladiça…. Estava espetacular!
Eu, se fosse o Luís, passava a acompanhar a dobrada com farinheira! E assada de preferência.

Eu Tenho Dois Amores

Eu tenho dois amores
Que quase são iguais
Mas não tenho a certeza
De qual eu gosto mais
Eu tenho duas farinheiras
Que quase são iguais

Uma é amarela e adoro-lhe
o sabor e a fartura
Que até parece
O sol da minha loucura

Mas a outra tão branca
É tal qual a gente quer
Porque embora diferente
Ela é para quem mais souber

Eu tenho dois amores
Que em nada são iguais
Mas não tenho a certeza
De qual eu gosto mais