O mexilhão da Ericeira é o melhor do mundo! Por vezes vão levá-los mesmo à minha porta e eu acabo por comprar um quilo ou dois. O problema vem a seguir. É uma trabalheira limpar todo aquele mexilhão. Normalmente, faço a raspagem com uma faca velha para conseguir tirar todos aqueles pequenos crustáceos e limos que se alojam volta deste molusco, que agora se chama selvagem por não serem criados de forma controlada. No final, vale sempre a pena!
Desta vez fui à Marisqueira Ribas e quando me levantei para ver o que havia na bancada frigorífica, lá estavam os mexilhões ainda por limpar, com aquele mau aspeto, a olharem para nós. Achei que tinham que ser da Ericeira, e eram mesmo!
Para mim, os mexilhões têm que ser cozinhados ao natural, apenas no próprio suco ou com a água do mar. Estavam espetaculares!

A receita é muito simples: depois de limpos e só colocá-los num tacho, tapar e deixar que abram no seu próprio suco. A outra maneira de fazer é em tudo igual. É só acrescentar-lhes um pouco de água com sal ou, de preferência, a própria água do mar.

De uma das vezes que fui a Itália, mais precisamente à Costa Amalfi, lembro-me sempre dos mexilhões com esparguete que comi em Sorrento, num restaurante que era uma espécie de quintal com árvores a fazer sombra às mesas, onde se comia divinamente. Desta vez estava a comer este mexilhão e a lembrar-me de um esparguete feito na água dos mesmos na Ericeira.
Ficavam mil vezes melhor do que os de Sorrento!!!

Mexilhão da Ericeira

Mexilhão da Ericeira

Mexilhão da Ericeira