Voltei a Ponte de Lima.
Voltei às Feiras Novas.
Voltei à Taberna 27.

As Feiras Novas sem Bolinhos de Bacalhau, na Taberna 27… nem pensar!
A confusão é grande, mas vale a pena.
A Dona Adélia e o marido tomaram conta do negócio que tinha sido iniciado pelo tio-avô Augusto, e ainda bem! Gosto sempre de lá voltar. Desta vez estivemos 3 dias pelas Feiras Novas e, imaginem, almoçámos lá os 3 dias seguidos.

No primeiro dia, eramos quatro, vieram dezassete bolinhos, 2 panados cortados aos bocadinhos e 2 garrafas de verde. Como não havia doce acabamos com uma dobradinha. Como de costume estava tudo excelente! Os bolinhos de bacalhau e os panados estavam quentes, não tinham tempo para arrefecer.

No dia seguinte lá estávamos novamente, aproveitámos os bombos na rua, com toda a gente a assistir, para almoçarmos. Desta vez não havia mesas para sentar… Mais uns bolinhos de bacalhau, mais umas malgas de verde, uns panados e estávamos almoçados. Arroz doce não tem, mas devia… Só para adoçar um bocadinho.

Por fim, faltava o domingo, mais um almoço, mais uma ida ao 27, uma “chatice”! Éramos 6, para começar 18 bolinhos e uma garrafa de verde, depois 2 panados, depois umas iscas de cebolada, depois uma febra e para fechar mais um panado… A acompanhar, broa e o verde, claro! No fim arroz doce não tem… Bebi um café!

Gosto muito da Taberna 27.
Gosto muito das Feiras Novas.
Gosto muito de Ponte de Lima.

Até para o ano!
Veja as fotos:

Os bolinhos de bacalhau da Taberna 27
Os bolinhos de bacalhau da Taberna 27
Os bolinhos de bacalhau da Taberna 27
Os bolinhos de bacalhau da Taberna 27
Os bolinhos de bacalhau da Taberna 27
Os bolinhos de bacalhau da Taberna 27
Os bolinhos de bacalhau da Taberna 27
Os bolinhos de bacalhau da Taberna 27