Na sua 6.ª edição, o coletivo Sangue na Guelra vai debater o termo cooktivism. O simpósio, que decorre a 23 de abril na Gare Marítima de Alcântara, tem como cabeça de cartaz Alex Atala, uma das principais figuras do ativismo gastronómico mundial.

 

Foi em 2017 que o Sangue na Guelra, em conjunto com diversos cozinheiros, investigadores, ativistas, jornalistas e pensadores se lançou o Manifesto para o Futuro da Cozinha Portuguesa. Esta declaração pedia uma atitude mais ativista, política e concreta na forma como se pensa e aborda a gastronomia. “A ideia de tratarmos o ativismo na gastronomia surgiu na sequência do simpósio de 2017, em que foi apresentado o Manifesto para a Cozinha Portuguesa, e do trabalho aí desenvolvido com os chefs. Todas as conversas apontavam nesse sentido”, explica a organizadora Ana Músico.

Alex Atala, mentor do Instituto ATÁ e proprietário do restaurante D.O.M, em São Paulo, é o cabeça de cartaz do Simpósio Sangue na Guelra 2018, cujo objetivo maior é trazer mais conhecimento e inspiração a Portugal. Haverá também espaço para trazer a cozinha dos melhores do mundo às ruas da capital portuguesa.

Ritz’s Secret Room

Sangue na Guelra Ritz Secret Room
O valor base é de 550€, variando de acordo com o convidado e a seleção de vinhos. Informações detalhadas: reservas@sanguenaguelra.pt.

A grande surpresa deste ano é o Ritz’s Secret Room. Uma experiência singular de jantares privados, únicos e exclusivos na suite presidencial do Four Seasons Hotel Ritz Lisbon, com as grandes estrelas da gastronomia atual e iniciativas ímpares com os cozinheiros mais surpreendentes, como os jantares Origens, Pop Up, Gravidade Zero ou o Festival Mar Adentro. No dia 14 de abril, o Ritz’s Secret Room recebe o mais exclusivo dos jantares, apresentando pela primeira vez em Lisboa, o chef Eneko Atxa, do Azurmendi (3* Michelin), para receber os 20 hóspedes dessa noite e preparar um “room service” muito especial. Seguem-se Alex Atala (D.O.M, 2* Michelin, Brasil), a 25 de abril, Mauro Colagreco (Mirazur, 2* Michelin, França), em setembro, e Toño Perez (Atrio, 2* Michelin, Espanha), em outubro.

Simpósio Sangue na Guelra 2018

Sangue na Guelra
“Cozinhar é muito mais do que fazer um prato de comida; a cozinha deve ser cerebral e interventiva, por isso esta discussão é fundamental”, garante Paulo Barata, diretor executivo.

“Sangue é experimentação. É desafio. É conhecimento. Sangue é partilha.” O SSNG 2018 é um espaço dedicado à reflexão, experimentação ao debate. Sendo uma das principais figuras do ativismo gastronómico, Alex Atala é o grande orador desta edição e a sua palestra acontece às 16h30. A decorrer na Gare Marítima de Alcântara, o simpósio conta ainda com dupla de cozinheiros-ativistas Bo Songvisava e Dylan Jones (Bo.Lan), que trabalham na recuperação de produtos biológicos, práticas sustentáveis e saudáveis e receitas antigas da Tailândia. Francisco Sarmento representante da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura em Portugal; Rita Sá, da Associação Natureza Portugal da WWF; Douglas Macmaster (Silo); Alexandra Forbes, responsável pelo projeto Refettorio Gastromotiva; e Alfredo Sendim, da Herdade do Freixo do Meio, completam o painel de participantes.

O IV Simpósio Sangue na Guelra decorre das 9h00 às 18h30 e conta ainda com o Symposium Redux, um almoço que fica ao encargo de Manuel Liebaut (I+D e LOCO), Luís Gaspar, Chefe Cozinheiro do Ano 2017 e chef da Sala de Corte, e Carlos Mateus (Avenida SushiCafé).

Os bilhetes para o evento custam 60€ para o público em geral e 45€ para estudantes de escolas de hotelaria e cozinha. Quem quiser participar apenas no almoço poderá adquirir um bilhete especial por 25€.