Em Outubro de 2011, começava assim o site do Grafe e Faca:

“Vou hoje começar um projecto com mais de 15 anos – escrever um livro de cozinha. Será que o livro vai demorar mais 15? Espero que não, mas este blogue pode ser o princípio. Para mim, inventar ou recriar novas comidas, ou mesmo respeitar receitas tradicionais portuguesas, são uma maneira de ‘destressar’. Com as receitas vou contar algumas histórias relacionadas com a cozinha que se foram passando ao longo da minha vida.”

Passaram-se sete anos! Foram mais de 1000 receitas publicadas. Sinto-me imensamente orgulhoso por ter conseguido ultrapassar esta meta! Não foi (nem é) fácil, principalmente quando tenho mais 1001 coisas para fazer.

Não é fácil “alimentar” uma plataforma de cozinha. Escrever as receitas e histórias de que me vou lembrando, fotografar quando está toda a gente sentada à mesa, deixar a comida a esfriar enquanto eu, de máquina na mão, faço “poses” com os pratos.

O processo tem muito que ver com criatividade. Como conseguir imaginar e juntar os sabores e texturas dos vários ingredientes. Por vezes ponho-me a inventar receitas nos sítios mais inusitados, escrevendo-as para que as possa confecionar depois, sem me esquecer de nada.

Para os que hoje me acompanham e para os que ao Grafe e Faca se venham juntar, prometo que vou continuar a dar-lhes umas dicas e muitas sugestões culinárias.

Despeço-me anunciando novidades para o site. A partir de amanhã, teremos a coluna de opinião sobre bebidas, que é coisa que eu não percebo nada. Entre as minhas receitas e as sugestões vínicas, a sua refeição está servida.